CPLP concede categoria de observador consultivo à Academia Galega da Língua Portuguesa

CPLP concede categoria de observador consultivo à Academia Galega da Língua Portuguesa
Conselho de MInistros da CPLP
Conselho de MInistros da CPLP  

Por decisão adoptada na reunião ordinária do Conselho de Ministros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, informa a própria AGLP em nota de imprensa.


A Academia põe em destaque que esta decisão é "duplamente significativa· por ser "a primeira entidade da sociedade civil galega a participar oficialmente neste organismo" e por por vir a "a reforçar as posições pró lusófonas na Galiza".


 
Quem patrocinou a candidatura da AGLP foi a representação do governo da República de Angola, a quem o presidente da Academia, o professor Rudesindo Soutelo, manifesta o seu agradecimento, que faz extensivo à Fundação Doutor António Agostinho Neto "pelo seu inestimável apoio ao longo destes anos".

 

A Academia Galega da Língua Portuguesa foi criada formalmente em 20 de setembro de 2008 em Santiago de Compostela. Está constituida por 32 académicas numerárias (entre elas, a escritora Teresa Moure, recentemente incorporada) e "mantém atualmente um relacionamento estável com mais de 30 instituições de Angola, Argentina, Brasil, Canadá, Goa (Índia), Macau (China) e Portugal".

 

Entre os seus logros, a instituição destaca que "neste breve espaço de tempo" conseguiu integrar "o Léxico da Galiza no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Porto Editora e no Vocabulário Priberam, através do programa informático FLiP".

 



x