AS PESQUISAS OUTORGAM-LHE MAIS DE 50 POR CENTO DO VOTO

Bolsonaro vai virar no primeiro candidato em se negar a debater no segundo turno

Bolsonaro vai virar no primeiro candidato em se negar a debater no segundo turno
Bolsonaro, após ser atacado com uma faca
Bolsonaro, após ser atacado com uma faca  

Seus estrategas de campanha aconselham-lhe que não conceda a Fernando Haddad a opção de debater com ele. Bolsonaro até nem iria debater na Rede Globo, o meio hegemónico no Brasil. A razão? Não põr em risco a vantagem que lhe outorgam os inquéritos. Segundo a última pesquisa, o candidato do Partido Social Liberal ultrapassaria já a barreira de 50 por cento dos votos.


Nunca na história recente do Brasil, desde que foi instituído o segundo turno nas votações à presidência da República, um candidato optou por não debater com o seu rival na volta decisiva das eleições. Isto pode vir a acontecer por vez primeira com Jair Bolsonaro, desde que os seus estrategas de comunicação, segundo transcendeu esta quarta feira, lhe aconselham que decline os convites para debater com Fernando Haddad.

O aparato do PSL acha que as eleições estão ganhas e que não tem sentido expor o seu candidato ao confronto com o cartaz do PT: ele já não teria nada que ganhar e sim muito que perder.

A este posicionamento chega o staff de comunicação de Bolsonaro após analisar as últimas pesquisas. O inquérito dado a conhecer esta terça feira 16 de outubro por Ibope coloca o ultra-direitista por vez primeira por cima de 50 por cento do voto válido emitido. Em concreto, ele atingiria 52 por cento dos sufrágios, face ao apenas 37 que receberia o candidato do PT.

Haddad pressiona insistentemente Bolsonaro para o obrigar a debater, até dizendo que ele estaria disposto a discutir com o cartaz do PSL numa enfermaria.

O argumento que está a utilizar de portas afora o PSL é que seu candidato, que sim concedeu entrevistas a meios audio-visuais, não está ainda em disposição de lidar com um debate televisivo, ao não estar plenamente restabelecido das feridas sofridas ao ter sido esfaqueado num acto de campanha.