No quarenta e quatro aniversario do assasinato de Moncho Reboiras

O franquismo, tanto com como depois do ditador, utilizou duas claves para manter-se no poder: o terror e a desmemoria. O terror não rematou com a vitória dos revoltados senão que prosseguiu por muitos anos, seguiram os assassinatos, ajustizamentos, desaparições, requisa de bens, denegação do inimigo, morte civil,...

Meu amigo Miguel

Lembrando a canção de Roberto Carlos (que interpretaria muito bem teu pai cantor) e lembrando aquele neno que apenas se tinha de pé e que já desde o inicio nos fixo sentir a todos como algo protetores; aquele neno que já desde os primeiros balbucios confirmavas a continuidade natural da língua galega como língua...

Indignidade

Já nolo advertira nosso perspicaz e vaticinador presidente, o inefável Sr. Feijoo,: “Pérez Jácome como alcaide será letal para Ourense”; o vaticínio cumpriu-se e o mais triste é que se cumpriu graças aos votos do partido que representa e dirige o Sr. Feijoo. A campanha de acosso e derrube por parte do Sr. Pérez...

Mofa

Ainda seguem mijando por um e a dizer que chove. É a burla, o escarnio, o desapreço mais insuportável do trapaceiro vaidoso e irreverente que pode ofender publicamente ao próprio povo do que som governantes em algo que constitui seu signo de identidade, como é o idioma.   Podo entender que alguém defenda...

De novo orfos no Día das Letras

O dia das Letras Galegas parabeniza a escrita em galego; mas não é de “letras” quando o ente promotor do evento exclui varias letras do seu sistema de escrita, sendo igualmente letras galegas, de uso comum antes da sua exclusão. Uma letra é um signo gráfico de um sistema de escrita. A criação das letras permitiu a...

Feijoo e o país das marabillas

Véspera de eleições trato de evadir-me da ansiedade e preocupação, escrevendo sobre algo alheio á apolítica e ao futuro de esta negada nação. Não se me ocorre nada divertido ou simplesmente entretido. Como recurso rememorizo sensações da minha longa viagem, de mais de dez dias, com motivo das férias de Páscoa, com...

Perda de uma boa e generosa

Havia tempo que não sabia de ti, Pencha. Mas eu, e suponho que também tu , sabíamos que estávamos aí, que nossa amizade sobardava qualquer distancia física ou de lugar. Mal pensava que esta minha última carta já não ia ser escrita em vida nem a ias ler.   Vai para 45 anos em que eu cheguei a Viveiro...

Notas

 

Juridicamente não cabe e politicamente é imposivel

Não quero desorientar a meus possíveis leitores, que algum parece que tenho. O do título é pura ironia produto do cabreio que me ocasionam  os recentes comentários sobre a língua. Se partirmos de que o Estatuto de Autonomia da Comunidade Autónoma de Galiza, vigente desde 06.04.81 com texto consolidado de...

Nem aprecio nem sentimento

Leo no Sermos digital que um médico de Vigo dixo-lhe á sua paciente “nom fales galego”; há muitos anos, recém aberto meu escritório em Vigo, também um cliente me aconselhou que não fala-se galego. Um dado mais atual é o da Festa do Colégio de Advogados de Vigo, na que passaram polo estrado oito colegiados, a Decana...

Rosa Luxemburgo

No mês de janeiro fizeram-se cem anos do assassinato cruel e despiedado de Rosa Luxemburgo e não parece ocioso recuperar sua memória.   Foi pola década dos sessenta quando teve noticia de Rosa Luxemburgo, com outros vultos do marxismo, socialismo e socialdemocracia, a través de recensões, comentários...

Hipocrisia

A Deputação de Ourense, tanto baixo a presidência de Baltar pai como na atualidade com Baltar filho , vem-se distinguindo pela sua atividade no eido cultural, assim editando livros como facilitando bolsas para investigar e muito especialmente pondo em valor aqueles escritores ou intelectuais da nossa...

Desactivados ou desmotivados? Co Diario Galego ao fondo

Há poucos dias lia no SERMOS as declarações de um moço respeito de que chegados os 40 anos existe uma mudanza no concepto de vida. Mais ou menos. Certo que a idade influi no nosso evoluir não só físico, mais se nossos princípios ideológicos som fortes não parece que haja motivos para muda-los ou incluso...

Que ocorre na pintureira monarquia borbónica espanhola?

Acumúlansenos  as noticias negativas de tal jeito que já não sabemos a que atender nem sobre que opinar. O desprestigio da Justiça espanhola no sentir popular adquire dimensões que exigem  tomar medidas urgentes de cara a todos os processos mais ou menos mediáticos em curso, mas também em todo o âmbito da...

Quando o escândalo se constitue em quotidianeidade

Neste Reino e Monarquia, com origem numa ditadura, não parece que a excepcionalidade seja o escândalo, senão que o escândalo é o quotidiano, o normal. E os súbditos semelha que já nos imos acostumando e, como sempre que não somos capazes de enfrentar a sordidez, limitamo-nos a fazer chança inundando as redes de...

Inseguridade jurídica e transversalidade de poderes

Que existe inseguridade jurídica é algo perfeitamente assumido polos súbditos do Reino de Espanha. A transversalidade entre os três Poderes não merece perda de tempo em discuti-la. Mas provavelmente o mais desacougante é que acima de todos os contubérnios jurídicos ou políticos aparece o Ser Superior que é o...

Facemos algo com o passado quando volve?

  Na edição do domingo 14 de Outubro de Faro de Vigo , pensava disfrutar lendo as Memorias de minha lutadora amiga Ana Miguez , redigidas polo magnifico jornalista que é Fernando Franco , quando, aberta a pagina e destacado a segundo nível, Ana manifestava, referindo-se ao peche da Associação Alecrim e...

Alguien...Cantó

Fai-me lembrar a letra de uma canção de meus tempos mozos, onde vai, algo assim como “tal vez no supe hablar cuando debí/ mi mente controló  mi corazón/el precio que pagué fue verme asi/ y cuado oí tu voz alguien (Toni) CANTÓ”. Pois sim, o inefavel Sr. Cantó ja debía andar ou presentirse por aquelas datas...

Mantenelha e não emendalha

Conhezedes o caso do condutor que circulando a contramão por uma autoestrada, ao escoitar na rádio do automóvel uma mensagem de emergencia de que por essa autoestrada circulava um veículo em direcção contraria, exclamou: “como um?, todos, todos circulam a contramão”. Pois bem, no caso do inefável juiz Pablo...

Parvadas

Pode que não tenha nada que ver uma com a outra cousa. Pode que se me critique por mesturar churras com merinas. Mas o certo é que esta manha, quando vim nos jornais o tratamento do falescimento de Albor, com essa cultura de incensar aos mortos, não pudem por menos que comparalo (que lhe vou fazer se me veu á...

Irrelevancia e aproveitamentos. Esclarecimentos após unha conferencia de Lores

O passado 28 de Junho num evento do Forum Europa , em Vigo, apresentei a Miguel Anxo F. Lores , alcalde de Pontevedra, que falou sobre o trabalho realizado na cidade do Lérez por ele e sua equipa no ámbito urbano e viario para conseguir um modelo de cidade mais humana e mais amavel, como é actualmente Pontevedra....

Parvoice ou cinismo?

Onte (1) quem ficou assombrado fum eu quando olhei na televissão as declarações de Nuñez Feijoo respecto recusar competir pola presidencia do PP.   Varias vozes neste diario dixital, e a propia oposição parlamentar, se manifestaron sobre os motivos que puderom levar a Feijoo a descolgarse da...

Dialogar é conversar ou parlamentar?

Vem a conto a pergunta porque Pedro Sánchez no seu discurso de asalto ao poder falou de diálogo e nas primeiras decissões parecem anunciar conversa (falar uma pessoa com outra alternando os turnos de palavra) mais que parlamento (discutir sobre um assunto ou sobre um problema com a intenção de chegar a um...

O alburgueiro

p.p1 {margin: 0.0px 0.0px 10.0px 0.0px; text-align: right; font: 11.0px 'Trebuchet MS'; -webkit-text-stroke: #000000} p.p2 {margin: 0.0px 0.0px 10.0px 0.0px; text-align: justify; font: 11.0px 'Trebuchet MS'; -webkit-text-stroke: #000000} span.s1 {font-kerning: none} span.Apple-tab-span {white-space:pre}...

Também som letras galegas, a J...

… a G , a Ç , os dígrafos NH e LH e o uso padrão do V e do B, entre outras varias reividicações de sintaxe e de morfología, para adequarnos ao galego-portugues internacional que nos leva a normalizar a nossa escrita, reintegrándonos ao tronco común da lusofonia.   O...

Tribulações de um reintegracionista para modificar seu apelido

Seu apelido ou seu nome. Ultimamente neste digital esta-se a reivindicar o direito que todos temos de reintegrar ao galego nossos apelidos ou nomes deturpados ou castelanizados. Eu ao remate de este escrito vou deixar um resumo dos trámites e condições que devem darse para obter a modificação. Mas, primeiro, vai...

Os reais (reais?) parabéns á justiça

No ano de 2013, último do que tenho dados completos, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos admitiu a trámite treze demandas apresentadas contra o Reino de Espanha em materias do Convenio Europeu de Direitos Humanos, das que rejeitou quatro, condenando ao Estado espanhol nas sete restantes por considerar a...

Margarita

Asim Marga, porque tu não precisas apelidos ainda que teu nome poda ser repetido. Uma inoportuna efermidade impediume celebrar contigo o merecidísimo reconhezimento que Galiza te fai a través do Premio Otero Pedrayo e tambem me demorou em escrever sobre a alegría que sinto porque ao longo do tempo se te vai...