Artigo conjunto de Carlos Morais, Davide Pérez, Xavier A. Osuna, Lisardo Domínguez

Centenares de vizinhos e vizinhas de Bande, Entrimo, Lobeira, Lóvios e Moinhos, arroupárom 14 de setembro a inauguraçom do monumento às vítimas do fascismo no Val do Límia.

A iniciativa, promovida polo Comité pola Memória Histórica do Val do Límia, é fruto de um longo e complexo processo ainda inconcluso de investigaçom sobre as consequências da brutal repressom exercida a partir de 18 de julho de 1936 contra o povo trabalhador desta comarca meridional da Galiza.

O monumento foi chantado na curva de Fontaboa, na estrada OU 1201, entre Xordos e Nigueiroá [concelho de Bande], onde fôrom executados polo terrorismo falangista os dous primeiros antifascistas da comarca dos que temos constância, Juan Manuel Álvarez Álvarez “Noches” e Jenaro Alonso Santos, 29 e 30 de julho de 1936 respeitivamente.

O  memorial é um monólito de granito inspirado num menir, de perto de 3 metros de altura e mais de 7 toneladas de peso, autoria do artista e mestre da pedra Diego Currás “O Rixón”, que leva gravado o nome e data de execuçom dos 25 antifascistas que até esse momento tinhamos documentalmente constatados.

A lista é incompleta, mas representativa da barbárie cometida contra os setores mais comprometidos e avançados que destacárom na defesa dos interesses populares no quinquénio republicano.

Desde 14 de setembro a curva de Fontaboa passou des ser um lugar da infâmia, a um lugar da memória onde honrar a todos aqueles homens e mulheres  que contribuírom ao desenvolvimento da comarca, a paliar o atraso e empobrecimento, que exercérom solidariedade e contribuírom a melhorar as condiçons de vida e a auto-estima dos setores mais humildes e oprimidos.

A iniciativa marca um antes e um depois na comarca, quebrando o silêncio imposto, o medo e terror inoculado que ainda pervive, facilitando a eclosom da verdade logo de longas décadas de resignaçom, conformismo e desamparo, de amnésia imposta polo franquismo e o postfranquismo.

Esta iniciativa, de grande impacto no Val do Límia, contribuiu a sufragar parcial e tardiamente umha dívida coletiva. Mas nom queremos ficar ai, pretendemos contribuir a recuperar do deliberado esquecimento uns episódios históricos que truncárom violentamente o nosso passado mais recente, que seguem condicionando o presente e hipotecando o futuro.

Coincidimos com Gabriel García Márquez que “Lembrar é fácil para quem tem memória, esquecer é difícil para quem tem coraçom".

Queremos resgatar do esquecimento a biografia de centenares de vizinhos e vizinhas do Val do Límia, recuperando o seu legado mediante um exercício de memória coletiva visado a resignificar factos históricos, entendendo a verdade como umha forma de reparaçom das vítimas da repressom fascista.

O monólito de Fontaboa nom é o ponto de chegada. Mas bem é o ponto de partida de um conjunto de iniciativas que seguiremos desenvolvendo na comarca visadas a restituir a dignidade, a história negada e a verdade, desmontando tanta falsidade imposta.

Nom só queremos completar a lista de executados, queremos sinalizar os lugares da infâmia para convertê-los em lugares da memória, instalando placas identificativas dos sucessos, honrando às vítimas do poço do Inferno, da corga da Videira, das touças de Sam Pedro de Moinhos, da Rola na desaparecida estrada entre Mugueimes e Porto Quintela, na devesa do Rio Caldo, em Calvos de Bande ...

Solicitamos o conjunto das instituiçons municipais que apliquem sem mais demora a tímida e insuficiente legislaçom vigorante, retirando toda a simbologia franquista da via pública.

Solicitamos ao conjunto das instituiçons municipais a retirada de todo tipo de homenagens, galardons, honras e condecoraçons outorgadas a Franco e resto de hierarcas fascistas, durante os 40 anos de ditadura.

Solicitamos às instituiçons municipais do Val do Límia o reconhecimento público das vítimas, asignando ruas, lugares e espaços públicos, com os seus nomes.

Para o êxito é imprescindível contar com a colaboraçom e implicaçom ativa de familiares e de todos aqueles que de forma altruista queiram colaborar. Quem tenha informaçom, por irrevelante que semelhe, deve contatar connosco. Reconstruir o passado é umha tarefa coletiva.

Carlos Morais, Davide Pérez, Xavier A. Osuna, Lisardo Domínguez