Depois da publicação do inquérito do Instituto Galego de Estatística (IGE) de 2018 que reflete as percentagens de uso da nossa língua nas diferentes faixas etárias encontramos diversas reações. No governo galego aplaudia-se que se registasse uma certa recuperação no número total de falantes. No entanto, a maior parte das análises assinalavam a forte queda em menores de 15 anos de idade, tendência que, se continuasse, provocaria a quase total extinção do idioma em poucas décadas.

Suponho que, ainda que a sua interpretação pública fosse outra, o próprio governo galego é consciente que a segunda interpretação é a mais realista. As pessoas que usam sempre ou maioritariamente o galego representam 52% e cerca de 80% delas têm mais de 50 anos. Porém, as que usam sempre ou quase sempre o castelhano representam hoje 48% da população e cerca de 70% delas tem menos de 30%. Fagamos avançar estes dados quatro décadas (mesmo sem contar todas aquelas galego-falantes que eventualmente mudem de língua habitual, que não vão ser poucas, nomeadamente fruto do êxodo das zonas rurais para as urbanas) e teremos o mapa totalmente invertido. Se acrescentamos que só 25% de menores de 15 anos se comunicam preferentemente en galego, acho que não podemos tirar muitas conclusões positivas.

Bom, esta leitura não difere muito de outras que já se fizeram e, para dizer o que já disseram outras, melhor calar. Mas em todas estas análises falta uma segunda parte convincente que proponha alternativas.

Estes dados mostrados polo inquérito do IGE refletem que a percentagem de falantes de galego em zonas rurais é semelhante (um pouco inferior) à que havia três décadas atrás, e que nas zonas urbanas acontece o mesmo. O problema é que a população rural reduziu-se brutalmente em benefício das cidades, onde a presença do galego nas novas gerações se aproxima perigosamente do nada. Temos, portanto, ainda, uma língua associada a um mundo em desaparição que é o rural, facto acentuado festivamente por landróveres e por luares como únicos produtos exitosos na nossa língua.

O grande sucesso na implantação do castelhano na Galiza não está tanto em privilégios legais como na sua capacidade de sedução com certos (mesmo falazes) argumentos. Com isto não nego as brutais agressões legais contra o galego, mas o certo é que esta crise não se produziu em momentos mais desfavoráveis (como a ditadura de Franco) senão em plena democracia, com uma língua oficial e uma Lei de Normalização Linguística aprovada unanimemente polo Parlamento Galego. Parece ser que, por enquanto, o castelhano vai na frente no argumento da utilidade: língua internacional com 400 milhões de utentes frente a outra rural sem mais benefício do que a sua obrigatoriedade no acesso à função pública ao bloquear o ingresso de quem não demonstre o seu conhecimento.

Devemos utilizar a carta da utilidade? Eu não preciso dela, defenderia o galego mesmo que fosse uma ilha linguística de poucas dúzias de habitantes, mas não podo forçar o resto da população a pensar igual, eis a chave, tenho que utilizar argumentos que sejam dificilmente rebatíveis. E para isto precisamos da Lusofonia: temos uma língua internacional, falada por duzentos e cinquenta milhões de pessoas e oficial em Estados tão relevantes como o Brasil e Portugal. E cumpre abandonarmos eufemismos como “línguas irmãs” (línguas irmãs do galego são o castelhano, o catalão ou o italiano) ou “tronco comum” e manifestar claramente que somos o mesmo caso do castelhano, do inglês, do francês ou do alemão que se fala em outros territórios além das fronteiras dos seus Estados de referência.

Acho que a questão do Estado não é um assunto menor. Aquelas sociedades onde convivem várias línguas com certa normalidade são consequência de que estas são oficiais de outros (o alemão na Suíça ou na Bélgica, o francês nesses mesmos territórios e no Quebeque, o sueco na Finlândia…), pois é o poder político que as prestigia, que potencia a autonomia delas, a renovação lexical e os usos em todos os âmbitos. As línguas que não tenham um Estado de referência (como o catalão, o occitano ou o galego separado do português) vão ter sérias dificuldades de sobrevivência a médio-longo prazo.

Então continuo, pode ser mais útil falar só uma língua que duas? Nenhuma pessoa não-fanatizada poderia responder afirmativamente neste caso. Aliás, a experiência mostra-nos que aquelas pessoas que têm o galego como primeira língua são autenticamente bilíngues, porque dominam totalmente depois o castelhano, mas aquelas que estão no caso contrário mui dificilmente vão ter um nível de galego próximo do de uma nativa. Portanto, devemos falar claramente de imersão e, e se apostarmos por ela, mostremos que há uma iniciativa que está a funcionar e a dar frutos em âmbitos urbanos: as Escolas Semente. Estão presentes como centros para crianças entre 2-6 anos em Compostela, Narom, Vigo, Lugo e Corunha, e até como centros de Primário as duas primeiras. Para além destas, há grupos promotores em Ponte Vedra e no Vale de Amaía que provavelmente podam começar no curso 2020/2021.

A terra está bastante seca, mas essas sementes ainda podem produzir. Devemos ter claro onde queremos situar a nossa língua, no mundo ou na tumba?