Estão por toda a parte. São eles, os «capacetes brancos», as últimas estrelas a aparecerem no mediático cenário da guerra na Síria. São eles os que recebem, em consequência, toda a atenção mediática polas suas ações em Alepo — ou, mais bem, no que fica dela. É Alepo, hoje, um cenário para filmes distópicos que ocupa a chaira onde antes se estendia a maior cidade da Síria e na que se destacam bem esses pontos brancos que se movem como formigas entre os entulhos e a ferrugem. 

Os «capacetes brancos», que se apresentam sob esse nome (whitehelmets.org),  mas que são, oficialmente, a Defesa Civil Síria (DCS), e que se dedicam a prestar os primeiros auxílios em zonas bombardeadas, receberam agora, ademais, a nomeação para o Nobel da Paz. Não é uma nomeação menor, o prémio que, por certo, deram também a Barack Obama após a guerra da Líbia ou a Shimon Peres depois de ordenar o massacre de Qana — e que acaba de morrer tão placidamente como morrem os «homens de paz», na cama, em casa. Não parece que o dos «capacetes brancos» seja por acaso. Depois de tudo, um nome assim liga facilmente com aqueles outros capacetes, os azuis, das forças de paz da ONU que tanto se têm exibido a levarem medicamentos e alimento e água potável de um lugar para outro, de tragédia em tragédia e de guerra em guerra. Mas quem são estes capacetes, os brancos? De onde saem e a que ordens respondem? E, sobretudo, a quem são funcionais? São perguntas que devem ser feitas neste caso e cada vez que, em meio a um conflito no que não cabem meias palavras, apareçam agentes que se apresentem como neutrais e equidistantes. 

Mas quem são estes capacetes, os brancos? De onde saem e a que ordens respondem? E, sobretudo, a quem são funcionais?

Resulta, ademais, que as origens da DCS são já, no mínimo, controversas. Embora assegurar ser uma organização civil e síria, o certo é que não resulta difícil rastejar as suas origens bem fora daquele país. A primeira aparição da DCS vincula-a com a consultora Analysis, Research and Knowledge, radicada em Dubai (Emirados Árabes), e com a MayDay Rescue Foundation, criada em Amesterdão em 2014 (e com ramificações também na Jordânia e em Turquia), ambas conectadas por meio de James Le Mensurier, um oficial do exército britânico retirado e assessor de várias empresas de defesa e segurança. As ligações internacionais não param aí. A listagem de organizações que financiam a DCS é também eloquente, especialmente porque a DCS diz ser politicamente independente e viver de doações particulares feitas através da internet ao Hero Fund: aparecem nas contas a Oficina de Exteriores e Commonwealth e o Fundo para os Conflitos, a Estabilidade e a Segurança (CSSF) do governo britânico, a USAID dos Estados Unidos e os ministérios dos negócios estrangeiros dos Países Baixos, a Dinamarca, a Alemanha e o Japão. O papel histórico de vários desses organismos, em especial da USAID e da CSSF, em empresas e operações imperialistas não devia estranhar, mas, sobretudo, não deveria permitir que ninguém se declarasse independente de interesses políticos. Em particular se o dinheiro da USAID ultrapassa já os 29 milhões de dólares e o do governo britânico, os 20 milhões de libras.

A listagem de organizações que financiam a DCS é também eloquente, especialmente porque a DCS diz ser politicamente independente

Em todo caso, a neutralidade também se vê comprometida se os três mil «voluntários» da DCS trabalham apenas em território controlado pelo ISIS e al-Qaeda, que é, em boa lógica, o território que recebe os ataques do Exército Sírio e da Rússia. Ter naquele espaço um agente imaculado (que é o que dá o prémio Nobel) com atenção permanente para denunciar o sofrimento da população civil, enquanto com a outra mão se pratica o silêncio informativo total sobre o sofrimento da população civil do «outro lado» não deixa de ser uma ajuda inestimável para a propaganda e para apresentar o governo de Al Assad como um regime sanguinário. 

Mas, se, ademais dos vídeos a que todos assistimos nas televisões ou nas edições em linha dos grandes jornais, há gravações — diversas — de capacetes brancos a manifestarem publicamente o seu apoio aos mercenários do Daesh, da Frente Al Nusra e de Ahrar al Sham ou a exigirem que sejam arrasadas Kafarya e Foua — duas vilas de Idlib que levam sob assédio da guerra santa cinco anos —, então as suspeitas já se convertem numa evidência incontornável. E se até o Departamento de Estado dos EUA reconhece as ligações do chefe de operações da DCS — Raed Saleh — com «organizações extremistas» que operam na Síria, acaso é necessário algo a mais?

Não é a primeira vez, em todo caso, que os interesses imperialistas se servem de ONGs e ONGDs para os seus negócios. Os motivos para fazê-lo são poderosos. A manobrabilidade que oferecem e a maior facilidade para esquivarem as perguntas incómodas resultam vitais para qualquer sistema de dominação. Por isso se estão a converter, provavelmente, num dos paradigmas desta guerra global que se desenvolve por capítulos, lentamente, como para não levantar suspeitas. 



x