Cuelgamuros como epicentro da podrêmia

Ramiro Vidal - Escritor


Obviamente não apoio ao governo espanhol no seu posicionamento sobre o que deve ser o futuro do Valle de los Caidos, nem entendo que o que se está pretendendo fazer tenha o apoio do parlamento espanhol. Repito-o e repetirei-o constantemente em conversas privadas e também de maneira pública; a dinamita é o único destino plausível para um mausoléu fascista. Não se pode reconverter num espaço didáctico, como aconteceu com alguns campos de concentração nazis, nem num monumento à concórdia (bom, é que eu não acredito nas concórdias decretadas) como sugeria Ciudadanos, nem num lugar “de repouso” como sentenciava ridiculamente o Presidente Pedro Sánchez. A única alternativa à dinamita purificadora é deixá-lo como está, o que só poderá ser interpretado como uma vitória do fascismo na sua procura de perpetuar-se e trascender.

Mas todo debate é sobre a fantasia, já que o estado espanhol é incapaz de tomar uma decisão e executá-la neste tema. Quando nas próprias estruturas do estado emanam palavras de ordem que atrancam a ação do poder executivo, que age por mandato do legislativo...como podemos nem imaginar sequer que um dia possa ser derrubada a cruz da infâmia, essa que coroa este fascismo perenne, perpétuo, que vive o estado espanhol? O estado espanhol é esse cujo poder judicial persegue a artistas, a historiadores, a ativistas sociais, ou simples cidadãos anônimos por dizer simplesmente a verdade...que os fascistas não tomaram o poder para salvar Espanha do caos e as turbulências sociais...chegaram para roubar e saquear, trás eliminar fisicamente a quem consideravam perigoso de mais, ou simplesmente a quem macabramente lhe tocou em sorte...a terápia de terror foi aplicada com eficácia. Essa milonga cínica de que todos sofremos aquela guerra, onde todos cometeram atrozidades, e que não há maior desgraça do que uma guerra civil é apenas isso...uma milonga, cada vez mais infumável. O Valle de los Caidos, lugar de repouso...? De repouso do esterco e do xurro de um estado seudo-democrático que se vanaglória da sua modélica transição a essa seudo-democracia, quando tal transição foi feita sob os silêncios mais humilhantes.

Sim; Espanha é fascista, está infectada de fascismo. Espanha olha com ternura o tardofranquismo e sonha-se ainda imperial. Espanha não deixa fazer brincadeiras sobre Carrero Blanco, nem criticar ao Rei, nem deixa sequer chamar fascistas aos fascistas, nem nazis aos nazis. É mais fácil que tu vás à cadeia por qualquer destas coisas do que ver a um nazi ser julgado por uma agressão física. Essa é a realidade. Espanha é fascista, e não é uma opinião...é fascista porque se revela fascista quando faz juízos – farsa para justificar o encarceramento de líderes políticos que convocam um referendo “ilegal”...porque é mais criminoso pretender celebrar um referendo do que fazer brincadeiras com os direitos das mulheres, mentir sobre os inmigrantes ou fomentar o ódio cara a diversidade sexual. Mais ainda; permete-se que partidos que levam no seu programa suprimir os direitos de comunidades humanas inteiras se apresentem às eleições.

Espanha está podre de fascismo...cheira.